Boy Erased: Uma Verdade Anulada


Título: Boy Erased: Uma Verdade Anulada (Boy Erased) • Autor: Garrard Conley • Editora: Intrínseca • Tradução: Carolina Selvatici • Compre: Amazon

Me interessei por esse livro logo que ele foi lançado aqui no Brasil, principalmente porque o filme seria lançado logo, no fim demorei uma eternidade para comprar o livro e nem vi o filme ainda kkkk, mas ao menos a leitura enfim eu consegui realizar e a história é tão impactante quanto eu acreditava que seria.

Essa é uma memória de um homem gay, filho de pastor evangélico que passou por uma terapia de conversão sexual e o impacto que isso causou em sua personalidade e vida, a história é incontestavelmente importante e necessária de ser compartilhada, em muitos momentos foi muito doloroso apenas ler tudo o que Garrard foi submetido, é um tipo de "tortura" que ninguém deveria passar para ser aceito pela família ou por qualquer outro motivo, é triste pensar na quantidade de pessoas que foram e ainda são submetidas a terapia de conversão.

Eu realmente gostei da história, mas, a forma que autor escolheu para descrever os acontecimentos no livro dificultou um pouco a minha conexão com o livro, o livro é escrito alternando a linha do tempo dos acontecimentos e isso me deixou confuso muitas vezes, mas também acho que se o livro seguisse apenas uma linha do tempo ele não teria o mesmo impacto, talvez se o autor não tivesse divagado tanto em alguns momentos a alternância de linha do tempo funcionasse melhor.

Finalizar o livro trouxe uma sensação de dever cumprido, a leitura foi dolorosa para mim, ainda que eu não me identifique pessoalmente com ela já que nunca fui de fato religioso e não tive grandes problemas quando compartilhei minha orientação sexual, é difícil ver histórias de pessoas que não são tão bem aceitas quanto eu fui, essa sem dúvidas é uma leitura necessária.
Em seu elogiado livro de estreia, Garrard Conley revisita as memórias do doloroso período em que participou de um programa de conversão que prometia “curá-lo” da sua homossexualidade. Garrard — filho de um pastor da igreja Batista, criado em uma cidadezinha conservadora no sul dos Estados Unidos — foi convencido pelos próprios pais a apagar uma parte de si. Em uma tentativa desesperada de agradá-los e de não ser expulso do convívio da família, ele quase se destruiu por completo, mas encontrou forças para buscar sua identidade e hoje é ativista contra as terapias de conversão.
Tocante e inspiradora, a história de Garrard é um acerto de contas com o passado, um panorama complexo das relações do autor com a família, com a fé e com a comunidade. O livro é o testemunho dos traumas e das consequências de se tentar aniquilar parte essencial de um ser humano.

CONVERSATION

4 comments:

  1. Não conhecia o livro e não sabia da adaptação, e a proposta é impactante, me assusta ter gente que acredita nessa bizarrice de reversão sexual, e só me dá a certeza que a igreja está aí para matar, alienar e crucificar o amor, a liberdade e a inteligência... Preciso ler para ontem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina você nem imagina o quanto isso é comun e ainda acontece muito viu?! Espero que leia ou veja o filme e goste!!

      Beijos
      Obrigado pela visita!

      Excluir
  2. Oi Alisson!

    Eu ainda não tive a chance de ler este livro e nem assisti sua adaptação, mas pela sua resenha, deu para perceber que é uma história forte de apreciar. Principalmente pelo fato de ter religião e assuntos em torno da orientação sexual. São temas importantes e necessários. Com certeza vou dar prioridade. Parabéns pela resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Kênia, sim é uma leitura muito muito importante e de grande impacto, veja o filme e depois tu lê!!

      Beijos
      Obrigado pela visita!

      Excluir

Obrigado por visitar o blog! Espero que tenha gostado do post e que deixe um comentário com suas impressões sobre o texto.

Você tem um blog? Não esquece de deixar seu link para que eu possa visitar seu blog.

IMPORTANTE
Os comentários publicados nesse blog são de inteira responsabilidade dos seus autores e não refletem a opinião do blogueiro.